Abstract

FLCL 2 e 3 e as minhas baixas expectativas

No passado mês de Março, foram anunciados os últimos detalhes sobre a sequela de FLCL que estava em produção.

O anúncio foi feito pela Toonami, o bloco de Cartoon Network dedicado a anime e animação orientada a audiências mais adultas, detalhando a colaboração com o estúdio Production I.G., após este ter adquirido os direitos para o título das mãos do moribundo estúdio Gainax.

A(s) sequela(s) serão constituídas por 12 episódios, divididos por duas produções distintas: FLCL Progressive, o equivalente a uma segunda temporada, cuja data de lançamento é 2 de Junho; e FLCL Alternative, a terceira temporada, que sairá a 7 de Setembro.

Para os mais distraídos, FLCL é uma série de OVAs originais lançados entre Abril de 2000 e Março de 2001, produzido pelo estúdio Gainax em colaboração com o estúdio Production I.G.. Na altura, foi dada completa liberdade ao diretor, Tsurumaki Kazuya, sendo FLCL o resultado de Tsurumaki juntar coisas de que gostava e tentar criar uma história com elas (como referido no video abaixo, correspondente ao comentário do diretor na versão Bluray da FLCL).

Apesar de FLCL não ter sido um êxito estrondoso no Japão, a sua apresentação e estilo próprio tornam-no facilmente reconhecível, sendo um dos marcos de animes originais “livres” do início do século, não só pela qualidade da animação (tendo envelhecido muito bem) mas também pela história e personalidade que o anime transmitia.

No Ocidente penso que não sou a única que considera que FLCL, apesar de não ser uma obra prima, está perto disso; compensando os possíveis problemas de história ou consistência com carisma e originalidade.

Agora que já apresentámos, de forma geral, FLCL e os seus descendentes vamos falar sobre o título deste artigo.

Eu adoro FLCL, na verdade é dos meus animes favoritos. “Se gostas assim tanto de FLCL, devias estar ainda mais hyped do que os outros” podem vocês pensar, mas eu tenho algumas reticências quanto a Progressive e Alternative.

Essas reticências começam com as sinopses e trailers de ambas as sequelas, que me parecem basicamente iguais ao original mas com personagens diferentes. Isso faz-me pensar que o anime que eu vi não foi o mesmo que os outros, porque a “fórmula” de FLCL não é algo que possa ser copiada e colada com um cast diferente de personagens. FLCL funcionou como funcionou porque as personagens tinham uma personalidade específica e a história foi criada em torno delas, e não o contrário. Não existe uma “fórmula”, e simplesmente continuar a demanda de Haruhara Haruko em busca do seu frenemy Atomsk enquanto dá guitarradas em testas de putos pelo caminho não é FLCL, porque a história nunca foi sobre isso para começar. A história só teve robôs e toda a mecânica associada porque o diretor queria meter robôs e então inventou uma forma de os integrar na história, tendo ele próprio admitido que era o tipo de narrativa que não precisava de mechas. Por isso, sim, estou preocupada com a história das sequelas. Voltar a tocar as mesmas notas de “coming of age” e adolescência com personagens diferentes não vai colar.

Por falar em música: os the pillows, a banda cuja música foi utilizada no original, volta para as sequelas, mas (e como para mim, tudo tem de ser um problema XD) isso também é algo que me preocupa. Na altura, a música dos the pillows foi usada porque eram uma banda de quem o diretor gostava, contudo, uma vez que os diretores de ambas as sequelas são novos no projecto acho que trazer de novo os the pillows apenas serve para dar nostalgia aos fãs antigos em vez de promover o máximo de liberdade dos diretores. Nesse caso, acho que deveriam ter dado a oportunidade aos diretores de sugerirem outras bandas de quem gostassem, tornando o projecto o mais pessoal possível, em vez de ser algo preso à imagem (sonora) do seu antecessor.

Por falar nos diretores, a Production I.G. esforçou-se por manter o staff recheado de jovens de modo a estimular a criatividade, na expectativa de criar algo “furi kuri”; contudo, acho que ambas as novas produções sofrem por estarem divididas entre tentar criar algo novo e tentar manter o legado de FLCL vivo ao mesmo tempo. A falta de compromisso a nenhuma das abordagens tem altas probabilidades de dar cocó, ficando apenas uma cópia barata do original.  Não para dizer que o staff vai fazer um mau trabalho, mas acho que o estúdio e a Toonami optaram por uma estratégia que, à primeira vista não seria má, se FLCL não fosse um anime tão peculiar como é.

 

Ao optar por dar uma sequela a um anime com uma fanbase fiel, os produtores sentem-se mais à vontade para fazer maiores investimentos, porque a probabilidade do anime vender bem é muito maior do que se estivessem a apresentar um anime completamente novo. Apesar de compreender o porquê de tentarem fazer uma sequela de FLCL (DINHEIROOOOO), penso que, ironicamente, eram capazes de ter um anime mais furi kuri-esco se simplesmente dessem os recursos aos diretores e lhes dissessem que queriam um anime completamente original, permeado com as suas personalidades e com tudo o que gostavam, mas que nunca tinham tido a liberdade de pôr no papel.

Numa última nota, gostava de comentar como o novo artstyle é incrivelmente genérico. Sim, é verdade que é apenas um ligeiro restyle do original mas, pondo as coisas em perspectiva, esse é exactamente o problema. Deixem-me explicar: FLCL saiu em 2000; sabem o que também saiu em 2000? Hunter x Hunter, Great Teacher Onizuka, InuYasha e Love Hina! Agora digam-me, algum destes animes tem um artstyle tão atual como FLCL? Pois. Nem me estou a referir à animação, cuja qualidade é muito superior a qualquer um deles, mas pelo facto de ser uma série de OVAs e não um anime serializado em TV. Peguem na cara da Mamimi e digam-me que o design dela não se enquadra no que hoje é considerado “moe”. Visualmente, FLCL estava anos à frente do seu tempo quer em termos de artstyle, quer no uso de CGI. Por comparação, acho que as sequelas não estão a tentar inovar os designs em nenhuma forma particular, acabando por se afogar no meio de tantos outros designs genéricos que saem todas a temporadas à pressão da indústria.

Compreendo que grande parte do que eu estou aqui a dizer pode parecer nada mais do que conversa de velho do Restelo que vai para sempre achar que o original é melhor, mas eu estou apenas legitimamente preocupada pela forma como um dos meus animes favoritos vai ser integrado num franquia que, pelo que estou a ver, não lhe vai fazer justiça.

Quem sabe, pode ser que eu esteja errada, e que FLCL Progressive e FLCL Alternative sejam ainda melhores que o antecessor; mas até lá vou manter as minhas expectativas baixas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *